Juca pede pressa para ProCultura

JucaFerreira_senador Roberto Rocha

Juca Ferreira pediu a Roberto Rocha celeridade na tramitação do ProCultura (Foto: Janine Moraes)

O ministro da Cultura, Juca Ferreira, pediu ao senador Roberto Rocha (PSB-MA) agilidade na tramitação do Projeto de Lei (PL) do Programa Nacional de Fomento e Incentivo à Cultura (ProCultura), que irá substituir a Lei Rouanet como mecanismo de fomento e incentivo à cultura. Juca reuniu-se com o senador, que é relator do PL, nessa quarta-feira, em Brasília.
Segundo Juca, a Rouanet transformou-se, ao longo dos anos, em um “monstrengo”, que tem sido utilizado por empresas privadas mais para favorecer as respectivas  imagens do que atender as demandas culturais da sociedade.
O senador Roberto Rocha prometeu empenho para favorecer um amplo debate da Lei do ProCultura no Senado Federal. Também mencionou que pretende promover audiências públicas em todo país, pelo menos uma em cada região, para estimular o debate em torno da nova Lei, que está sendo gestada no poder Executivo desde 2010.
Juca Ferreira ponderou ainda que, além da renúncia fiscal admitida pela Rouanet, o captador dos recursos públicos ainda escolhe como vai ser feita a fixação de sua  própria marca. Para Juca Ferreira, a Lei Rouanet é uma “injustiça federativa”, por beneficiar segmentos que não são os que mais precisam de apoio público. “Não é possível que os departamentos de marketing das grandes empresas decidam onde serão investidos os recursos para cultura”, considera.
Segundo o ministro, 80% dos projetos liberados para captação pela Comissão Nacional de Investimento Cultura (CNIC) são dos estados de São Paulo e Rio de Janeiro, com o agravante de estarem centralizados em poucas empresas.
Kátia Brigolini
Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura
Anúncios

Inscrição na Caixa Econômica Federal

A Caixa abre inscrições, nesta segunda-feira (8), para a seleção de projetos culturais a serem realizados em 2016. Os interessados poderão inscrever seus projetos em dois programas culturais da Caixa: Ocupação dos Espaços da Caixa Cultural e Apoio a Festivais de Teatro e Dança.

O Programa de Ocupação dos Espaços da Caixa Cultural vai selecionar projetos para programação em Brasília, Curitiba, Fortaleza, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo, com exibição no período de março de 2016 a fevereiro de 2017. Este prazo pode ser estendido até fevereiro de 2018 no caso de projetos itinerantes (aqueles realizados em mais de uma Unidade).

O valor máximo de patrocínio, por cidade solicitada, é de R$ 300 mil. Cada proponente pode apresentar até dez projetos, podendo cada um ser realizado em uma ou mais cidades com Caixa Cultural.

Serão aceitos projetos de artes visuais (fotografia, escultura, pintura, gravura, desenho, instalação, videoinstalação, intervenção e novas tecnologias ou performances); teatro (contemporâneo, físico, circo-teatro, performance de palco, etc.); dança (contemporânea, clássica, dança-teatro, etc.); música e cinema. Poderão ser apresentados ainda, projetos para palestras, encontros, cursos, oficinas e lançamento de livros.

Já o Programa Caixa de Apoio a Festivais de Teatro e Dança selecionará projetos de festivais em todo o território nacional, a serem realizados no período de janeiro a dezembro de 2016. O valor máximo concedido será de R$ 200 mil. Serão considerados somente os festivais que contemplem a partir de cinco companhias ou grupos de teatro/dança participantes, e que tenham, no mínimo, dez espetáculos distintos, além de palestras, oficinas e cursos.

A Caixa ainda promoverá 5 sessões de bate-papo nas cidades de Rio Branco, Manaus, Belém, Campo Grande e Cuiabá para divulgar, esclarecer e orientar sobre o processo de inscrição de projetos culturais. O objetivo da ação é obter mais adesão de produtores culturais dessas regiões, além de garantir mais acesso à informação e democratização do processo de seleção.

Como participar – Todas as informações necessárias à participação nos programas estão disponíveis nos regulamentos publicados no sítio http://www.programasculturaiscaixa.com.br.

As inscrições serão feitas exclusivamente por meio de formulário eletrônico, até o dia 21 de julho de 2015, às 17h (horário de Brasília). Não serão aceitos projetos enviados por quaisquer outros meios.

As dúvidas relacionadas aos programas deverão ser encaminhadas à Caixa por meio da ferramenta Fale Conosco, disponível no sítio de inscrição: http://www.programasculturaiscaixa.com.br.

Balanço 2015 – A Caixa selecionou, no ano passado, 285 projetos para ocupação dos espaços da Caixa em Brasília, Curitiba, Fortaleza, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo. A programação foi realizada de março de 2015 a fevereiro de 2016, com um investimento de mais R$ 43,6 milhões.

Para festivais de teatro e dança, foram destinados R$ 3,4 milhões, que contemplaram a realização de 31 projetos. Já o Programa de Artesanato selecionou 11 projetos para realização ao longo de 2015, com investimento de R$ 421 mil.

O Programa Caixa de Apoio ao Patrimônio Cultural Brasileiro selecionou 16 projetos para realização ao longo de 2015 e 2016. Com lançamento a cada dois anos.

Ciclos de Bate-Papo – As inscrições para os Ciclos de Bate-Papo é feita exclusivamente pelo endereço eletrônico programasculturaiscaixa@gmail.com, com envio das seguintes informações: nome, nome da produtora e telefone.

Programação

08/06/2015 – Rio Branco/AC das 8h às13h

09/06/2015 – Manaus/AM das 8h às13h

10/06/2015 – Belém/PA das 8h às 13h

17/06/2015 – Campo Grande/MS das 18h às 22h

18/06/2015 – Cuiabá/MT das 13h às18h

A IMPORTÂNCIA DO PRODUTOR SE PREPARAR PARA MEGA-EVENTOS

Solange Bighetti (*)

Hoje o produtor cultural cada vez mais necessita ter uma capacitação e se profissionalizar em cursos e universidades, pois a produção de um projeto de pequeno e médio porte, não tem as mesmas características de um projeto de grande porte.

Para a elaboração de um projeto de grande porte envolve muitos itens, como a sensibilização do grupo de gestão sobre as vantagens operacionais e

economicas de se ter um modelo sistematizado e padronizado para o evento, devemos ter a prototipação do sistema de administração de operações do evento.

O mais importante é a construção dos macro e micro modelos para obter a definição das ferramentas tendo a parametrização da realidade nas ferramentas de gestão.

Quando falamos em projeto de grande porte, falamos à partir de nossa experiência em mega eventos, todo e qualquer projeto não sai de nossa empresa sem ter sido feito o teste de protótipo, verificando assim a eficácia e adequando o modelo à realidade de cada local e de cada público envolvido.

Não podemos deixar de efetuar cálculos de quantidade de publico de acordo com a área a ser executada, isso nos ajudará a obter mais facilmente legalizações perante órgãos públicos, que são muitos, dividir a equipe em organogramas de funções e dividindo as responsabilidades, em produção pensar principalmente no processo de engenharia, que é ele que dará o maior suporte em montagens de palco, tendas, conteiners, banheiros químicos e outras atividades que são muitas que não caberia neste artigo.

Nestes projetos envolvem desenhos de arquitetura, com plantas baixas e cenográficas, principalmente vistas (desenhos) do evento, que envolve projetos de luz, som, etc… e o produtor deve se adequar a estas situações, saber como elaborar este projeto e como adequar cada informação dentro de seus limites de valores e planos, um planejamento bem feito faz com que nada falte na hora da produção, senão, você como produtor, terá muitos problemas com falta de pessoas, e principalmente falta de dinheiro para o projeto, e um problema deste, no projeto de grande porte é uma falha enorme, pois onde você irá conseguir dinheiro para colocar no projeto, tem pessoas que perderam casas, carros, para não ficar devendo por conta de cálculos errados em um projeto, tomem cuidado.

O erro é que as Universidades, muitas delas, não se preocupam em dar esta base prática aos seus alunos, principalmente em eventos de grande porte, muitos falam que produção independe do tamanho, este não sabe o que é produção, são produtores de projetos únicos, e não tem flexibilidade, cuidado pois se não tiverem esta base, produtores com esse pensamento quando vão ao mercado, são erros em cima de erros, ou não conseguem uma colocação em empresas que trabalham com projetos de grande porte, pois não tem base, conhecimento de como é a produção de grande porte.

Espero ter ajudado você, colega produtor.

* Solange Bighetti – é Presidente do Instituto Dominus de Artes, Ofícios e Cidadania, consultora, produtora e palestrante, sendo Pós-Graduanda em MBA em Gestão e Produção Cultural na Associação Brasileira de Gestão Cultural. 

OS DESAFIOS DO PRODUTOR CULTURAL

Ana Ferguson *

Para uma grande parcela da população a profissão de produtor cultural ainda gera uma grande dúvida, em função principalmente da falta de informação de suas reais atribuições e responsabilidades, que na realidade são muitas, seja em qualquer um dos segmentos do mercado cultural.

Os grandes eventos que o Brasil tem recebido e receberá nos próximos anos, será a mola propulsora e o espelho para que nosso país se consolide como um celeiro de grandes profissionais nesta área, para tanto, de um lado, é necessário que haja o reconhecimento e a profissionalização da profissão, e de outro, que os produtores culturais em atuação tenham à sua disponibilidade cursos e informações para atualização e reciclagem.

Por mais experiências obtidas no dia a dia, é importante que os produtores culturais complementem e reforcem seus conhecimentos através de capacitação específica, seja através de cursos já existentes de graduação, especialização, livres, seminários ou congressos, no Brasil ou no exterior.

Muitas pessoas que freqüentam espaços culturais, como casas de shows, teatros e centros culturais não tem a dimensão da especificidade e responsabilidades deste profissional, que tem em suas mãos todo o desenvolvimento, planejamento e controle das operações, permitindo que os espectadores possam desfrutar das ações culturais com segurança e organização, cumprindo todas as determinações exigidas pela legislação.

É fundamental que a população seja orientada para que, seja ao freqüentar um equipamento cultural, na contratação de um evento ou de um profissional deste segmento, fique atenta às suas experiências e habilidades, analisando criteriosamente cada item a ser realizado e exigindo atenção e responsabilidades para que todas as atividades desenvolvidas sejam cumpridas dentro dos parâmetros estabelecidos pela legislação, evitando que penalidades ou até tragédias aconteçam por inexperiência de “profissionais” deste mercado.

*Ana Ferguson é sócia da Zeus Produções, consultora, produtora e docente nos cursos de Pós-Graduação e MBA em Gestão e Produção Cultural na Associação Brasileira de Gestão Cultural.

CONSULTORAS RESPONSÁVEIS

Consultoras
Consultoras Solange Bighetti e Ana Ferguson

Desde 1998 em São Paulo, as produtoras Ana Ferguson e Solange Bighetti trabalham na área cultural, prestando  serviços  na área  de   Desenvolvimento,   Produção, Gestão   e Consultoria   para   Projetos  Culturais,   atendendo   clientes  de  todo  Brasil  que desejam transformar seus sonhos em realidade.

A partir  da ideia  e com a  expertise de mais de 20 anos de experiência,  Ana  e  Solange atuam estrategicamente na concepção, elaboração, formatação, produção, enquadramento nas leis de incentivo à cultura, gestão administrativa, prestação de contas e orientação para captação de recursos.

BNDES – Patrocínio a Eventos Culturais 2015

O BNDES receberá, para o 2º período de 2015 (de setembro a fevereiro de 2016), propostas de patrocínio a eventos culturais nos segmentos de Música e Literatura.

São considerados eventos culturais os projetos com duração e local pré-estabelecidos, que contribuam para a difusão e fomento da cultura brasileira, tais como mostras, festivais, feiras, espetáculos, entre outros.

http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/bndes/bndes_pt/Institucional/Apoio_Financeiro/Patrocinio/Introducao/eventos_culturais2015.html

COMO FUNCIONA?

Tudo é muito simples, prático, rápido e que cabe no bolso de todos. O cliente escolhe a opção desejada, oPayPal nos manda um aviso e imediatamente será enviado o primeiro questionário para início do trabalho.

O projeto será montado dentro das informações recebidas e cumprindo as principais exigências das leis de incentivos e editais.

A proposta do site é de acabar com o amadorismo que existe no mercado, onde muitos projetos deixam de acontecer por falta de conteúdos bem definidos ou custos inviáveis.

A exemplo de outras startups existentes no Brasil, o FAZ PROJETOS coloca o cliente no papel de empreendedor, pois ele que irá definir o serviço que deseja, o preço a ser pago e a velocidade de entrega do trabalho, tudo online e em tempo real, sem a presença de intermediários.

Importante ressaltar que esta plataforma foi desenvolvida para projeto criativo de MICRO E PEQUENO porte, uma vez que estimula a acessibilidade de todos aos mais importantes mecanismos de incentivo no Brasil.

Caso você tenha um projeto em grandes proporções, como: turnês, exposições, espetáculos cênicos (teatro, dança ou circo), maratonas, festivais que viajem por muitos municípios, estados ou até outros países, acesse:projetosespeciais@fazprojetos.com.br. Teremos condições especiais para você!

A primeira Startup de Projetos Criativos